sábado, 27 de maio de 2017

TRIBUTO AO NEVES - TAN 05.08 - CRIAÇÃO DA SAIL - junho.2012



TAN 05.08 - CRIAÇÃO DA AIL (SAIL)
http://licburlesco.blogspot.com/2017/05/tan-0508-criacao-da-sail-junho2012.html
AIL

Ao amigo Neves devemos creditar a gênese da AIL - Associação de Inéditos das Letras. Seu entusiasmo revela o interesse  pelas atividades intelectuais, propostas na criação 
da AIL, em 26.06.2012.

De: José Nagado <j_nagado@hotmail.com>
Para: jose neves <jcneves45@yahoo.com.br>
Enviadas: Terça-feira, 26 de Junho de 2012 16:35
Assunto:  AIL

Caro José,

Fico contente por saber que v. está novamente  "solto e livre para vagabundear entre as letras". 
Tive uma ideia para curtir com os nossos companheiros das letras. 
Só pra resumir, vamos chamar de IL (inéditos das letras) o integrante de uma  associação, AIL. (Associação dos Inéditos das Letras).
Vamos resumir o que seria esta Associação.  
- IL - inédito das letras, com idade superior a 60 anos.
- AIL - Associação dos Inéditos das letras 
- Meta inicial : reunir 10 possíveis integrantessobre

Objetivos iniciais da AIL
1) Estimular a publicação de trabalhos literários dos integrantes da AIL.
2) Debater textos desenvolvidos ou apresentados pelos integrantes da AIL.
3) Promover relações com  outros escritores.

O integrante da AIL é vitalício, inédito ou não. 

Tive esta  ideia ao completar 60 anos de idade, em conversa com o amigo Idir sobre a participação em atividades, como os grupos de leituras. O Idir, autor (inédito) de um livro sobre o comércio na cidade de São Paulo (1554-1822), aderiu  imediatamente à ideia da AIL

.... Outros INÉDITOS seriam convidados a participar do grupo posteriormente..

Topas?
Abs
José
·          
·      Re: Como vai? - AIL‏
27/06/2012
Para José Nagado
José, boa tarde!

Em primeiro lugar, TOPO! Como você me parece organizado, proponha as diretrizes e a forma de implementá-las.

Em segundo lugar, descubro que temos a mesma idade, 67, e sou de abril. Outra coincidência é que foi a partir de uma festa-surpresa dos meus 60 anos que me decidi a escrever com mais frequência, e daí saiu o meu mais longo texto que é o LEGADO De Um Luso-Nipo-Brasileiro, do qual já te falei antes. Depois desse, foram surgindo as crônicas. Claro que, anteriormente, já escrevia alguns  pequenos textos, mas muito eventuais e quase todos de cunho familiar.

Abs.

JC -27/06/12

SAIL – HISTÓRICO

Em 22.10.2012 , já com o nome alterado para SAIL - SOCIEDADE AMIGA DOS INÉDITOS DAS LETRAS,  tendo os objetivos iniciais em mente, definimos as diretrizes da sociedade e a forma de implementá-las.  

Coordenadores
José Nagado                j_nagado@hotmail.com
José Carlos Neves      jcneves45@hotmail.com

Textos propostos pelos fundadores da AIL (outubro.2012)

1.    JCN (Neves) – Ensaio sobre a América Latina – Um Poema – Uma Crônica
2.    Nicanor de Fretas: Conto (“Encontro de duas almas”) – Crônicas mineiras (causos)
3.    Jose Nagado: “Crica” (um produto do Burlesco) - Crônicas
4.    Jayme Cordeiro Rosa: “Itaquaquecetuba meu amor”.
5.    Idir Martin Asencio: “Os caminhos do comércio na cidade de São Paulo (1554-1822)”
6.    Breno de Sousa Vianna : Crônicas (escritas por sua Mãe)
7.    Loire Rodrigues de Lima: “Largados dos Bernardes” (escrito por seu pai, militar)


Comentários  sobre os textos propostos HOJE 24,05.2017


1. NEVES - Publicou um expressivo livro autobiográfico - "Legado de um Luso Nipo Brasileiro" no ano de 2015. Deixou de ser inédito, e promete um novo livro para breve.
O "Ensaio sobre a América Latina" discute o pensamento sócio-político do Vargas Llosa em relação as populações latino americanas. Um poema provocou análises sobre o estilo e outros comentários sobre a autoria ou não , de Carlos Drumond de Andrade.

NOTA: O blog Confrarias do Riso explora temas do "Burlesco" que em alguns casos envolvem preocupações temáticas (literárias) apresentadas na SAIL como um impagável texto de humor. 
O Neves compartilhou diversas crônicas, algumas das quais ("Batalha de Galos", "Entendeu?" e "Travessia do tempo"), que cumprem "SAIL" e "BURLESCO" (obrigado, Fernando Pessoa!)

2. Nicanor pretende publicar uma coletânea com as suas notáveis crônicas..Seus "causos" mineiros são contados com o humor e estilo do povo de Araxá, em seu blog https://freitasnet.blogspot.com.br/2017/04/carater.html.

3. Nagado (eu) postou a ideia básica do "Crica"em seu blog Confrarias do Riso. O "Crica" está em fase de revisão (mais uma) e análise de uma proposta de ilustração. O Nagado postou  (22) crônicas no seu blog. Comentários serão acrescentados em um possível livreto com as crônicas.

4. Jayme Cordeiro Rosa (90) teve um livro de humor publicado,aos 70 anos. Rotariano, empresário de sucesso, promete "Itaquaquecetuba meu amor", com muito humor.

5. Idir, grande atleta do vôlei brasileiro, atualmente tenista de respeito, aposentado, decidiu escrever
 “Os caminhos do comércio na cidade de São Paulo (1554-1822)”. Brevemente deixará de ser inédito, com as 

6. Breno, engenheiro, declamador emérito de prosas mineiras, quer contar as histórias mineiras que sua mãe deixou.

7. Loire, valente batalhadora das questões de aposentadoria de colegas CESPEANOS, recebeu como legado do seu pai,  um pujante relato de militar afeito aos embates em condições extremas de sobrevivência. (li uma brochura ainda incompleta). Tem dificuldades para desembaraçar esse legado.


A relevância de cada texto é avaliada pelo autor ou responsável pela sua divulgação. Análises e polêmicas estarão abertas a todos os participantes ou não da SAIL.

A SAIL apresentará , na próxima postagem, visões perscrutantes do Neves sobre dois temas distintos (sociologia política e literatura), colocando seu interlocutor pouco a vontade para dizer simplesmente: CURTI! Dois grandes das letras, Vargas Llosa e Carlos Drumond de Andrade, o que não é pouco, aguardam sua vez para serem citados na SAIL!

Concluindo

As mensagens de cada autor (inédito)  e a troca de ideias com os membros da SAIL ou participantes de grupos na internet, ressoam positivamente na concretização dos objetivos dos  "companheiros de desassossegos literários",que prosseguem na batalha para publicar seus trabalhos.


(continua) - 
j.nagado 27.05.2017





quarta-feira, 19 de abril de 2017

TRIBUTO AO NEVES - TAN – 05.02 – PREMIO PARMENIDES – (Filósofo Parmênides de Eléia. (510-470 a. C)




TAN – 05.02 – PRÊMIO PARMÊNIDES – (Filósofo Parmênides de Eléia. (510-470 a. C)

Prêmio Parmênides

O Prêmio (2013), destaca o filósofo Parmênides de Eleia, criador da escola Eleática, cujos filósofos (Pré-Socráticos) refutavam a cosmogonia e a teogonia da Grécia Antiga.







Representado por um busto de Parmênides de Eleia, o Prêmio foi entregue ao escritor José Carlos Neves (JCN), pelo Blog Confrarias do Riso, no dia 14.09.2014.
O Blog Confrarias do Riso, desde novembro de 2011, divulga conceitos e temas pertinentes aos livros “BURLESCO” e “CRICA”, deste autor, ainda não publicados. (Nagado).



Princípio de Identidade


o Neves revela, através de sua visão de vida,  os atributos do amigo Transmontano, desvendando-lhe os caminhos certos e incertos, opções e decisões tomadas até seu destino, lembrando-nos, dessa forma,   Princípio de Identidade, reconhecido nos versos de “Travessia da Existência”, do Poema de Parmênides de Eleia (530 a.C-460ª.C).

Introduzindo a versão ontológica desse Princípio (de Identidade) do pensamento, esse poema avalia, assim, “ser” (permanente)  e o “não ser” (mudança), na história da Filosofia.

“Travessia do Tempo” (JCN-2012), visto como um texto reflexivo sobre a natureza, a existência e a realidade do Ser (ontológico), penetra as vias das Leis do Pensamento em geral, e em particular, das regras do Senso de Humor, reconhecidas na estrutura do Burlesco. 

Veja como isso ocorre.

O “Burlesco” utiliza uma base de Fundamentos Lógicos, Ideológicos e Comportamentais em sua estrutura, definida entre os anos (2005 a 2010). (v. referência: Postagem no Blog Confrarias do Riso)

Nessa estrutura, Fundamentais às Leis do Pensamento, os Princípios da Lógica foram considerados aplicáveis de forma Racional : Princípio de Identidade, Princípio de (não) Contradição, Princípio do Terceiro Excluído e, adicionalmente, o Princípio de Razão Suficiente, eletivamente utilizado no Burlesco. 


 Referências:

1  A) Ensaio de
Corcoran, J. 1999. “Laws of thought”. Cambridge Dictionary of Philosophy. R.Audi, Ed. Cambridge: Cambridge UP. p. 489. Laws of thought are laws by which or in accordance with which valid thought proceeds, or, that justify valid inference, or to which all valid deduction is reducible.

Leis do pensamento são as leis pelas quais ou em conformidade com as quais o pensamento continua válido ou que justificam inferência válida, ou para o qual toda dedução válida é redutível. 
Leis do pensamento são regras que se aplicam, sem exceção, a qualquer assunto de pensamento, etc. Às vezes, diz-se que eles são o objeto da
lógica. A expressão, raramente usada exatamente no mesmo sentido por 
diferentes autores, tem sido associado com três expressões igualmente ambíguas:

a lei da identidade (ID),
a lei da contradição (ou não-contradição; NC),
e a lei de meios excluídos (EM). (ou terceiro excluído)

O ensaio relata aplicações dessas três leis (ou princípios):

- como proposições da ontologia (ESTUDO DO SER) formal;

- em trabalhos mais antigos, como expressões para princípios de metalógica sobre proposições:

- meados para o final de 1800, usadas para denotar proposições da álgebra booleana sobre classes;

- A 'lei da não-contradição "e" lei de meios excluídos' também são usados ​​pelos princípios semânticos da teoria dos modelos relativos a sentenças e interpretações.

2.     
      B)Postagem no blog Confrarias do Riso - BURLESCO - Modelo Estrutural - (cont.02)

 http://licburlesco.blogspot.com/2012/09/3-burlesco-modelo-estrutural-cont02.html

No início do século XX, tendo Ferdinand Saussure (linguista) como precursor do Estruturalismo, Jacques Lacan, Roland Barthes, Levi-Strauss, Michel Foucault, e Jacques Derrida procuravam, nos diferentes insights das ciências humanas (linguística, antropologia, história e  psicanálise), as bases   (significantes e significados) para explicar o sentido da realização individual e coletiva do homem. (v. - Semiologia e Estruturalismo, texto informativo no Burlesco) ...


Conclusão

Falamos da importância do filósofo Parmênides de Eleia na Filosofia Ocidental, mormente no desenvolvimento das Leis do Pensamento, argumentado pelo Princípio de Identidade (e pelo Princípio de Contradição). 
"Travessia do Tempo", é mais uma marca merecida do "Tributo ao Neves", que os nossos amigos irão reconhecer neste Blog. (atenção, compadres da SAIL) 



(continua) 

quinta-feira, 16 de março de 2017

POST 07.2013 – OS PRÉ SOCRÁTICOS - TERTULIA (Parte 3)


POST 07.2013  – OS PRÉ SOCRÁTICOS - TERTÚLIA (Parte 3) 

(Tertúlia domingueira)


O Neves apresenta suas armas para o embate, digo , tertúlia entre amigos ,  celebrando   intelectos cuja voz ecoa de forma diferente, talvez inusitada, no cérebro desvirtuado deste “sócio do Berg”.

 

·         Re: B&F – 004.2013 – OS PRÉ-SOCRÁTICOS‏

10/03/2013
Para José Nagado, jaymerosa, nicanordefreitas, IDIR Martin, Breno Vianna, Maria Lucia Y. Hoki

Nagado

Diante dos comentários que me enviaste no arquivo, eu gostaria de ter a concisão, pragmatismo e  sabedoria do nosso Jayme para responder simplesmente: Ah, bom!
Mas, como sabes, como passo por um momento de muita correria, não tenho tempo, nem a tua paciência oriental para pesquisar em livros ou no Google para pesquisar e achar argumentos suficientes para  uma nova réplica. Então, valho-me apenas do que aprendi há muitos anos atrás, e do pouco que me sobrou na memória para comentar que:
1 - Que nenhum de nós dois está obrigado a concordar com o outro, mas que ambos temos o dever de respeitar a opinião de cada qual;
2 - Entendi melhor o que queres dizer com a "profundidade histriônica", mas sigo não concordando com o carimbo de velhacos, farsantes, palhaços, imbecis, charlatães e embusteiros - como se fossem simples gurus e videntes - com que a "histrionia" classificaria os pré-socráticos. Aliás, este foi o motivo deflagrador da nossa tertúlia a respeito do tema;
3 - Não vejo oxImoro nos seus pensamentos filosóficos, mas vejo uma esforçada tentativa de classificá-los assim. Alguns podem ser pueris e superficiais, mas são originais, e deles se serviram os grandes filósofos posteriores para sedimentarem suas doutrinas, ainda que elas fossem o contraditório e a simples negação desses pensadores originais.
4 - A cosmologia foi, sem dúvida,  a que mereceu mais contemplação e atenção dos pré- socráticos. Heráclito enunciou que "não se pode entrar duas vezes no mesmo rio", e reagiste com um"Gostaria que alguém me explicasse tanta profundidade". É, isso talvez hoje possa soar como um pensamento "raso", mas eu não vejo Heráclito referir-se ao rio como todo, mas sim que a mesma água não passa duas vezes no mesmo lugar, pois está em permanente renovação, e por isso não entrarás uma segunda vez na água que já passou. Ainda sobre Heráclito, como tu mesmo mencionaste, Marx e Darwin foram profundos seguidores de seu pensamento como todo; e olha que os dois já são bem moderninhos: 


5 - Aristóteles que, na minha modesta opinião, foi o pensador mais brilhante da humanidade, fala, como dizes, com certa ironia sobre o princípio da água e da existência da alma, atribuídos aos pré-socráticos. Hoje sabemos que todos nós, seres vivos, humanos, ou "desumanos" somos compostos  por mais de 70% de água; e, quanto à existência da alma, é ainda uma discussão que segue cada dia mais viva; 
6 - Seria cansativo seguir dissertando sobre a contribuição de cada um dos pré-socráticos; por certo que alguns tiveram muito maior transcendência que outros para o pensamento moderno, e muitos cairam num verdadeiro ostracismo, mas daí a classificá-los como pensadores de "profundidade histriônica" é algo que, definitivamente, não lhes dá a merecida justiça, embora respeite a opinião de quem julgue o contrário.



Como hoje também é domingo, chega de filosofar. Mas eu acho estimulante este esgrimir de idéias, embora eu me reconheça mais intempestivo que pensativo.
Abraços, e bom saldo de domingo a todos.



Neves(10/03/13)


POST – 007.2013 – OS PRÉ-SOCRÁTICOS - TERTÚLIA (Parte 1)


POST – 007.2013 – OS PRÉ-SOCRÁTICOS – TERTÚLIA (Parte 1)
(tertúlia domingueira)

O amigo  José Neves abre esta "tertúlia domingueira" questionando com muito prazer intelectual nossas discordâncias sobre os Pré-Socráticos. 



03/03/2013
Para José Nagado, Jayme, Nicanor de Freitas Filho, IDIR Martin, brevianna@gmail.com

Nagado
Muito bom o texto com o título de "Os Filósofos e Eu", muito mais compreensível - talvez porque eu já tenha estado mais próximo do tema - que o B&F com o nexo Berg-Nagado. Acho que o teu sócio Berg atrapalha a minha total compreensão das teorias expostas.
Concordo plenamente em que os filósofos mais importantes e centrais - eu diria, da humanidade - estão na trindade grega Sócrates-Platão-Aristóteles, pois foi através, e a partir, deles que o pensamento, e o conjunto de conhecimentos humanos começou a sedimentar-se e a trasformar-se em filosofia, até à epistemologia sistematizada  como nos chega hoje. Não importa quão dispersas e em quantas ciências se tenham transformado suas ideias, na verdade há bem poucas que não sejam um eco, ainda que distante, - e quase inidentificável pelo senso comum - desses cérebros privilegiados. 
Mas, Nagado, - e há sempre um "mas" - não concordo com a tua assertiva de que "aqueles que um dia tiveram aulas de filosofia, se divertiram muito com a profundidade histriônica dos antigos filósofos gregos, os pré-socráticos". Realmente não entendi a pejorativa adjetivação"histriônica" aplicada aos pré-socráticos. Porquê histriônicos? Estarei eu equivocado quanto ao significado variante do histrionismo?
Eu sou daqueles que um dia tiveram aula de filosofia, mas não me lembro de me haver divertido porque eram histriônicos. Mas me lembro muito bem do quanto eu aprendi, e do intenso prazer que eu senti ao conhecer o pensamento desses pré-socráticos. Eu nunca percebi charlatanismo, burla, ironia ou graça em Thales de Mileto, Anaxágoras, Heráclito, Pitágoras, Zenão de Eléia ou Demócrito -  e outros que não me ocorrem no momento - mas sim uma brilhante capacidade contemplativa e reflexiva sobre o Homem e o Universo. Lembro também que foi das diferentes teorias de cada um deles que o trio central recolheu as melhores sínteses para definirem seus postulados.Talvez esteja gastando demasiadas palavras por causa de um adjetivo, mas, deixá-lo passar, seria como depreciar o alto valor da contribuição ao conhecimento humano de  uma boa fileira de pré-socráticos.
Bem, acho que para um domingo já é suficiente. Afinal, os cérebros enfraquecidos também necessitam descanso no sétimo dia.
Com o prazer de sempre, ao trocar opiniões e letras, um abraço e bom domingo.
Neves - 03/03/13

Abraço a todos os Confrades
José Nagado (08.03.2013)

B&F – 004.2013 – OS PRÉ-SOCRÁTICOS E O BURLESCO


 B&F – 004.2013 – OS PRÉ-SOCRÁTICOS E O BURLESCO

Neves
Seu e-mail obrigou-me a reler tudo que havia lido sobre os Pré-Socráticos, para recuperar o motivo de ter-me referido a eles com o adjetivo "Histriônico", na verdade, "Profundidade Histriônica". 
Seriamente falando, os pensamentos dos Pré-Socráticos produzem uma  sensação leve e superficial de pensamentos tornados obsoletos pelo aprofundamento invasivo de filósofos pósteros. Em sua defesa, considero que os Pré-Socráticos foram autênticos em seus pensamentos, retratos temporais da imagem cosmológica daqueles pensadores. 
"Profundidade histriônica" nos lembra o oxímoro então criado naturalmente, com a "profundidade" de uma razão atemporal e uma aparência "histriônica" superficial, craveira atribuída aos Pré-Socráticos, por aqueles que se julgaram aptos a avaliar aqueles pensamentos. Esta foi a minha justificativa para "Profundidade histriônica", que se transformou num texto escrito em (2011) levemente modificado agora, para responder ao caríssimo Neves.

Profundidade histórica
A pesquisa epistemológica sobre o “Burlesco” envolveu-nos com a (ir)responsabilidade de adquirirmos um conhecimento (burlescamente)prático em relação à filosofia ocidental, obrigando-nos a adotar alguns critérios para joeirar textos e filósofos de acordo com os  objetivos da pesquisa.
Para isto, reconhecemos desde o início, a necessária distinção entre o mítico, ou mito-poético, e o conhecimento racional, desfazendo-nos  de  qualquer tentativa sensacionalista (farsa) de associar os primeiros pré-socráticos, desde Tales, da proximidade intelectual com o cientista moderno, e o afastamento das idéias de profetas e videntes de tradições gregas mais antigas.

Critérios (burlescabilidade, rsrsrs)

a)Em primeiro lugar, tivemos que nos precaver contra o filosofismo excessivo, refutando   idéias por vezes interessantes (para não dizer engraçadas)  mas não alinhadas com um “devir” evolutivo do (pensamento) burlesco (por causa deste critério, mais cacetadas estão “porvir”).

b)Em segundo lugar, tivemos que refutar tanto evoluções (positivas ou negativas)  como também deturpações,  de  doutrinas ou proposições filosóficas (e científicas) significativas para a história da filosofia   (e das ciências), mas insignificantes para o (pensamento) burlesco.

Proposições de alguns Pré-Socráticos

 1.Thales de Mileto (625-558 a.C) - “a água é a origem de todas as coisas”- “Os ímanes têm alma, porque consegue mover o ferro”.

2. Pitágoras, (580 – 497 a.C) – acreditava que  arbustos, feijões têm alma.
         
3. Heráclito, (540 – 490 a.C) – “tudo era feito de fogo”; a “metafísica de Heráclito”, para falar da sua doutrina do estado do fluxo.

4. Anaxágoras ( 500 – 432 a.C) - várias substâncias diferentes compunham a totalidade do espaço existente. Cada elemento constituinte seria, portanto, fundamental em si mesmo e a matéria constituída pela combinação desses elementos era infinitamente indivisível.

5. Zenão de Eléia  (490 – 430 a.C)- Apresentou um conjunto de paradoxos para mostrar que nada pode mover-se.
6.Demócrito (460 – 370 a.C)- indivisibilidade dos átomos

(Sócrates viveu entre (469-399 a.C); portanto , alguns  Pré-Socráticos foram seus contemporâneos).

Critérios adotados - Exemplos

Critério (a)
As idéias filosóficas dos Pré-Sócráticos foram apreciadas  em épocas posteriores por outros filósofos como Aristóteles, por exemplo, que comentou com certa benevolência irônica o “princípio da água” e a “existência da alma”, segundo Tales de Mileto. (ver nota 1)
Nota 1.
Ao não se conformarem com as explicações tradicionais dos mitos gregos, cuja ordem do mundo dependia da vontade dos deuses, demonstram sua confiança na capacidade da razão humana e se dedicavam a explicar a realidade material da natureza. Como compartilhavam de uma mesma preocupação, esses primeiros pensadores  são chamados também de “físicos”. (derivado de physis, que em grego, significa “natureza”). Para eles tudo que existia derivava de um elemento físico primordial. 

Embora não existam fragmentos da obra de Tales, seu pensamento pode ser conhecido a partir da "Metafísica", obra do também filósofo grego Aristóteles.

Segundo historiadores,
Diógenes Laércio, Simplício e principalmente Aristóteles (Metafísica), Tales foi comerciante e conquistou recursos suficientes para dedicar-se a suas pesquisas no Egito e Babilônia, onde,  em contato com astrônomos e matemáticos deve ter recolhido informações para seus teoremas   da matemática, e fundamentos de geometria e astronomia.

Critério (b)
Foram refutados enunciados ou proposições filosóficas dos Pré-Socráticos, como por exemplo  sobre a “indivisibilidade dos átomos” (Demócrito),   que acabou por ficar como um legado para a posteridade, exatamente pela idéia da “não indivisibilidade do átomo”, comprovada nos tempos modernos. Dizer-se que Demócrito teria antecipado a teoria atômica moderna é um momento histriônico na Filosofia dos Pré-Socráticos. (ver nota 2 – Profundidade histriônica)
Nota 2 - Profundidade histriônica
Os enunciados pré-socráticos de forma geral atenderam ao critério (a) ou (b) ou ambas, e, quando tratados por outros filósofos  o foram para defender suas próprias idéias filosóficas.
Tales(625-558 a.C)
Assim pretenderam, por exemplo:

Hegel (1770-1831): “A grande crítica hegeliana ao pensamento de Tales está em afirmar a água, que é algo singular, como um universal. Hegel busca a unidade, mas segundo este isso se dá no fenômeno da consciência”.
Nietszche (1844-1900) – crítica ao pensamento filosófico, atrelado aos grandes enganos da civilização ocidental:  religião e a ciência.

Heráclito (540 – 490 a.C)
Hegel, influenciado pelo pensamento de Heráclito afirmou: “Não existe frase de Heráclito que eu não tenha usado em minha Lógica.” Marx (1818-1883) e Darwin(1809-1882) eram seguidores de Heráclito. Marx, admirador de Darwin, foi hegeliano na juventude. Essa relação se torna ainda mais intrincada com a afirmativa surrealista de um pretenso (e pro fundo) cientista político: A noção de Darwin relativa a sobrevivência do mais adaptável foi elemento chave tanto para o conceito marxista da luta de classes quanto para as filosofias raciais que deram forma ao hitlerismo”.(!!)
Heráclito interpretou a realidade tendo como princípio o devir - “ Não se pode entrar duas vezes no mesmo rio”.
Gostaria que alguém explicasse tanta profundidade.

Conclusão 

Os Pré-Socráticos, cosmologicamente  afinados com o momento histórico, ganharam certa “Profundidade histriônica” ,  quando cérebros ineptos procuraram se apropriar de suas  idéias originais,  agregando-lhes interpretações próprias.

José Nagado (08.03.2013)

sexta-feira, 3 de março de 2017

Tributo ao Neves -TAN 05.03 - Trav. do Tempo” (J.C. Neves) com Haicais Burlescos




TAN 05.03 – “Travessia do Tempo” (J.C. Neves) com Haicais Burlescos

Introdução

Princípio de Identidade
“Travessia do Tempo” nos levou ao Poema de Parmênides de Eleia (530 a.C-460ª.C) onde os versos de “Travessia da Existência” discutem o “ser” (ou “não ser”) do homem, inaugurando o Princípio de Identidade, na história da Filosofia.
Segundo este princípio, em seus estudos sobre a lógica, o filósofo Pré-Socrático Parmênides (*) afirma:
“todo objeto é idêntico a si mesmo”.
Em outros termos, explicando essa questão de Identidade, o Filósofo Neves diria: 
"É o conjunto de caracteres próprios e exclusivos com os quais se podem diferenciar pessoas, animais, plantas e objetos inanimados uns dos outros, quer diante do conjunto das diversidades, quer ante seus semelhantes".
Nestes termos, consideramos que o texto “Travessia do Tempo”, ilumina a jornada filosófica do (Neves) Transmontano, em busca da Identidade do amigo (Transmontano) Neves.    

Falando em Identidade, é preciso não esquecer do lusitanismo do amigo Neves (veja a “Batalha de Galos”), eis que no texto atual, ele omite intencionalmente (ou não), qualquer referência ao lusitano viver.  

É preciso também lembrar que o Transmontano já foi alvo de dúvidas em relação à sua origem (Espanhola?), carecendo de convicção, portanto, qualquer crença na identidade especular do Neves e do Transmontano, conforme aduzimos em: “Entendeu?”, no link: http://licburlesco.blogspot.com/2016/12/tributo-ao-neves-02-entendeu.html )

Em todo caso, confira a identidade especular de dois seres semelhantes (Neves e Transmontano), após 60 anos de convívio, ao que parece, inevitável.

Notas:

A linguagem dos haicais burlescos utilizada na “Travessia do Tempo”, é resumida em seus termos mais simples nos textos:





(*) Parmênides -

O Prêmio Parmênides, concedido pelo Blog Confrarias do Riso ao amigo Neves em 2013, será o próximo tema deste Tributo neste blog.


Um tributo especial

O Neves revela grande senso de humor, além de mostrar desapego a seu próprio texto, aprovando a inserção de haicais alheios em “situações literárias” de sua lavra. Ele inferiu, usando seu elevado senso de humor e muita sabedoria lógica, que os “haicais burlescos” ministrados gota a gota no texto, funcionaram como remédios oportunos transferidos ao combalido personagem (“cotista social”), o amigo Transmontano, proporcionando-lhe uma “mais suave” “Travessia do Tempo”.
                    
Sob este contexto, o nosso homenageado ressalta a importância de um olhar diferenciado para os textos que lemos.ou que produzimos.  O Princípio de Identidade, tema que pensamos explorar no início da avaliação deste tributo ao Neves, sofreu uma virada do viés temático (filosofia) para o objeto (personagem), que realmente interessava ao autor.

Aproveitando o espaço criado pelo nosso comentário, fazemos uma homenagem ao nosso guru (em relação ao Burlesco), Georg Christoph Lichtenberg, sábio alemão da Universidade de Göttingen, que disse, certa vez:

“Texto é espelho. Macaco, quando olha no espelho, não vê apóstolo, só vê macaco”.

Neves, mais uma vez, obrigado!





A seguir:
- o e-mail do Neves
- texto (parcial) de “Travessia do Tempo” com a inserção dos haicais burlescos.


Para José Nagado, nicanordefreitas@gmail.com, jaymerosa@terra.com.br, IDIR Martin

Amigos

Depois de alguns exames, e já liberado da Banca examinadora - se não com notas elevadas, suficientes para passar raspando - aqui estou de volta para "sargentear".

Além de sábio, o Nagado é previdente. Ele sempre tem um elevado e variado estoque de remédios (Haicais) que servem para todos os males (situações literárias), e quase sempre aplica a "doseometria" (termo jurídico da moda no laboratório do STF) na medida certa. Quando eu crescer - afinal, o futuro pode não ter acabado ainda - quero ser um Douto alquimista de haicais como ele. E nem se importou com o ter de "atravessar" a madrugada para pinçar e aplicar os remédios mais eficazes para uma mais suave "Travessia do Tempo". Domo arigatoo gozaimasu, nee!

Sobre os demais temas, responderei nos e-mails referentes a cada um deles.

Abraços

Neves - 10/12 




TRAVESSIA DO TEMPO   j.c. neves – out.2012

                       Nascemos e crescemos em busca do futuro; é a nossa esperança.
                      Amadurecemos, socializamos, multiplicamos; é a nossa realização.
                       Envelhecemos, estorvamos, nos isolamos; é o nosso crepúsculo. (JCN)


“Aleluia! Esfuziante, o Transmontano só não pulou de alegria porque seu corpo, um pouco acima do peso e cansado, não logrou levantar os pés grudados ao chão, como imantados”.

56) (Velhice)

TEMPO DA VELHICE.
AQUELA SERENIDADE
PLENA DE MEIGUICE.

     “Intrigante! Era a primeira vez que alguém se referia explicitamente ao meu amigo como idoso. Essa palavra sempre lhe havia parecido tão atemporal para si que demorou a dar-se conta de que a observação do manobrista era com ele mesmo. Na verdade, ele nunca havia tido percepção da sua idade real”.

55) (Passado)

VOLTO AO PASSADO.
UM ROMANCE ESQUECIDO...
RETRATO RASGADO.

“Não se lembrava de que houvesse passado por uma idade infantil, sentindo a infância como tal, ainda que tivesse algumas lembranças fatuais do período. O mesmo com a adolescência; com o jovem adulto; com a meia idade; e mesmo com a idade madura, diga-se até aos 60 anos”

341 (amor temporão)

AMOR TEMPORÃO,
ESPERADO, MADURO,
COM MUITA TESÃO.

“Talvez o fato de haver tido uma infância e adolescência – ou a ausência delas – quase nulas, i.e., por raramente desfrutar da leveza e do direito de vivê-las no que elas têm de prazeroso e inocente, mas vivê-las intensamente com o peso da responsabilidade e dever de um adulto”

                          193 (OUTONO)                                   

TER SONHOS AGORA,
OUTONO QUE PREPARA,
NÃO ME APAVORA.

Ele se lembra de alguns atos do quase bebê;

241 (O ESPERMATOZOIDE)

QUASE NÃO SENTI.
DORMI COM PAPAI,
COM MAMÃE SAI.


        “Até aos 60 anos, o meu amigo sempre teve a sensação de que o seu futuro ainda estava por chegar. Embora considerasse os sexagenários já entrados na terceira idade, isso acontecia só com eles. Ele seguia buscando seu futuro, até que este viesse buscá-lo. Ao completar 60 anos, a Eiko e o Cláudio decidiram fazer-lhe uma festa-surpresa. E, pela primeira vez, deparou-se com seu futuro.”

54) (Futuro)

SEMPRE ME ESQUEÇO
QUE O FUTURO CHEGOU-
É SÓ O COMEÇO.

“Talvez ainda não tivesse tocado nessa realidade mais cedo – que começa em torno aos 45 – porque passou mais de 30 anos na mesma empresa.  Sobram-lhe experiência profissional e intelectual, acima da média. Mas o paradoxo é que também lhe falta/sobra empregabilidade. Agora, quase no extremo crepuscular da ponte que liga as margens etárias, está bem próximo de completar a travessia do seu tempo.”

359

A ETERNIDADE
É CAMINHO SEM VOLTA,
COMO A IDADE.

                          (José nagado – 23.10.2012)
(Para qualquer reclamação de invasão de propriedade intelectual ao Procon, do autor ou de leitores de “Travessia de seu tempo”, sugiro acessar o meu Perfil.)


                           (Tributo ao Neves continua, após o Carnaval) – (jn 03.03.2017)